Ausente

21 dezembro, 2009
Faz quase um mês que não dava sinal de vida, eu sei!

Peço desculpa pela minha (prolongada) ausência, se é que alguém deu por ela, ou se teve algum interesse em vir cá ver se havia algo de novo "postado"... Sim, eu reparei ali pelo contador de visitas que as mesmas continuaram a aumentar; resta saber se por interesse próprio, se a título de curiosidade, ou se por mero engano, lol (sim, porque já calhou de um(a) visitante vir cá parar porque pesquisou no motor de busca Google "carta de condução falsa" .... txxx txxx, seus malaannndros!! Facto ilícito susceptível de pena de prisão... ai ai!!) Whatever...


Pois é, os tempos não andam de feição, a vontade e a imaginação também tem sido pouca, e prontoS (à bom português com 's' no fim :P)...

Agora vem o Natal, o Fim do Ano e txaraammmm... época de exames (que é como quem diz, tempo de hibernação, muito pouca, mas mesmo pouca, vida social! São livros, apontamentos e códigos por tudo quanto é lado, falar para as paredes e afins...)... por isso, aviso desde já que a "ausência" ainda há-de permanecer durante algum tempo .... (1, 2, 3 OOOHHHHHHH!!!!) :X


Mas para compensar, ou talvez não, deixo-vos aqui um poema...

Ausência

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade, in 'O Corpo'



...

5 Buzinadelas:

Galo disse...

Que ideia é essa? Então eu passei lá um dia sem vir saber de ti? E tu, ingrato bicho da Madeira, que vives a transformar o "pau" alheio em serradura, nem ao menos um piropozito de trolha aqui deixás-te.
Para castigo há-de nascer-te bigode e pêlos no peito eheheh.
Beijinho e se não nos vir-mos mais, um bom Natal e um próspero Ano-Novo e boas notas, já agora.

Curiosidade. As letrinhas que estão ali em baixo para inserir, são as seguintes: unfodice eheheh

Peão disse...

Oh Sr. Galo... sempre muito atencioso :)

Desejos de Boas Festas para ti também... e que 2010 faça de ti um homem mais sexy (do que o daquelas fotos) Lol :P

Beijinhos *


PS: Tu não deixas escapar uma... nem as letrinhas!! hihi

Galo disse...

Deixo, deixo! Deixei escapar um "deixás-te", em vez de um "deixaste".
Fico piurso com esta m#rda de erros, pá. É que fico mesmo, porque não é por desconhecimento, é porque vou embalado eheheh.
Para castigo agora havia de ser obrigado a escrever 100 vezes "deixaste", mas não me apetece lol.

Beijinho

Peão disse...

Deixa lá... uma escorregadela na gramática portuguesa de quando em vez não é dramático!!! Acontece a todos... até ao Saramago, aposto! :P


E como estamos em época natalícia, com espírito de bondade e generosidade, estás perdoado e não te obrigo a fazer uma composição nem ditado...!
Quem é amiga, quem é?! :P


Beijinho

Énio disse...

Pois é ficas tanto tempo sem dizer uma palavra depois o "people" começa a pensar em cenas maradas.Tens que ser mais activa até nas situaçoes mais complicadas en ao começes a pensar em cenas maradas =). Deixo-te um poema de um grande amigo meu.lol

"Pode ser que um dia deixemos de nos falar...
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.

Pode ser que um dia o tempo passe...
Mas, se a amizade permanecer,
Um de outro se há-de lembrar.

Pode ser que um dia nos afastemos...
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.

Pode ser que um dia não mais existamos...
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.

Pode ser que um dia tudo acabe...
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente.
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.

Há duas formas para viver a sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre."

Albert Einstein

Já passearam por aqui...